UNI-MEI/Panartes e FIA-LA definem ações para os próximos anos em seminário conjunto

Seminário aconteceu nos últimos três dias de março e realizou o planejamento de 2018 a 2022 das ações conjuntas das duas entidades

Seguindo a luta dos trabalhadores de comunicação e arte da América, o Seminário conjunto FIA-LA e UNI-MEI/Panartes aconteceu nos últimos três dias de março e contou com profissionais de 14 países (Argentina, Bélgica, Brasil, Chile, Colômbia, Cuba, Espanha, Estados Unidos, México, Peru, Panamá, Uruguai, Suécia e Paraguai).

Após a abertura no dia 29, as discussões acerca da aplicação do projeto da Union to Union (organização internacional de trabalhadores sediada na Suécia), que visa estabelecer metas de trabalho sindical na América Latina de 2018 a 2022, se iniciaram.

Os temas “Fortalecimento Sindical” e “Igualdade de Gênero” foram amplamente debatidos e entre as principais resoluções do plano de ação para os próximos anos estão: a construção de uma campanha audiovisual de incentivo a filiação aos sindicatos na América Latina e a realização do Encontro de Gênero da UNI-MEI Américas.

Celene Lemos, secretária de políticas para mulheres e minorias da Fitert, conta que neste segundo dia foram tiradas diversas metas para o plano de ação, entre elas a de que todo encontro da UNI-MEI/Panartes tenha pelo menos um dia para as mulheres se reunirem e que os sindicatos se esforcem para filiar mais mulheres, para que elas venham para o movimento sindical. “Neste seminário, gênero e fortalecimento dos sindicatos foram os temas principais, com dinâmicas realizadas pelas companheiras Patrícia Kistenmacher e Isabel Montoya. Foi um aprendizado de grande valia para mim”, completou Celene.

Já no último dia, Gerardo Gonzalez, secretário de relações internacionais do SATSAID (Sindicato Argentino de Telecomunicaciones, Servicios Audiovisuales, Interactivos y de Datos), fez a apresentação de novo aplicativo que vem sendo usada pelo sindicato para atrair atenção à importância da filiação. Hoje já são aproximadamente 35 mil filiados (80% da categoria) e mil acessos diários ao app.

Gustavo Gonzalez, da Sociedade Argentina de Locutores, fez a apresentação de um outro trabalho que está em desenvolvido na Argentina e que, até o momento, trouxe vários benefícios para a categoria. Como a legislação Argentina protege o trabalho e a voz do locutor, é oferecido um curso de 1500 horas, ministrado em todo o país, e só se permite a atuação daqueles que se capacitam.

Também foi recebida uma comitiva de locutores esportivos Uruguaios que fizeram exposição da exploração do trabalho esportivo, das péssimas condições de trabalho e da jornada expandida nos dias de jogos sem nenhum pagamento adicional de horas extras.

Para Miguel Novaes, secretário de relações internacionais da Fitert, a avaliação do seminário foi positiva, pois a metodologia aplicada facilitou a reflexão e as discussões dos temas. “Ficou claro que estamos vivendo dias difíceis em toda América. Há uma intenção clara dos governantes: exterminarem as entidades sindicatos dos trabalhadores. Sem filiados não há sindicato, sem sindicato não há negociação coletiva. Os direitos sindicais precisam ser garantidos, pois também são direitos humanos”, afirmou o secretário.

José Antônio, coordenador-geral da Federação e presidente da UNI-MEI Américas, reforça os bons resultados conquistados. “Foi um seminário muito importante, por fazer o intercâmbio entre as entidades e os países para auxiliar no desenvolvimento dos profissionais de cada região. Com a tirada de diversas ações positivas, o desafio agora será aplicar todas elas”, afirmou José Antônio.

Fonte: Da redação, com informações da Secretaria de Relações Internacionais.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

CAPTCHA