São Paulo realiza 10° Congresso dos Radialistas do estado

Entre os dias 21 e 23, aconteceu na cidade de São Paulo o 10° Congresso dos Radialistas do Estado de São Paulo.

Com a reunião da categoria na sede do sindicato, na própria capital, o evento debateu conjuntura nacional, as reformas do governo de Michel Temer, o papel da grande mídia perante a conjuntura nacional, além de ter elaborado o plano de luta dos radialistas paulistas para os próximos anos.

Na mesa de abertura, realizada na sexta-feira (21), houve a participação de convidados que deram as boas-vindas aos congressistas. Entre eles estavam, Matheus Nunes, integrante da União Juventude Rebelião (UJR), Ana Paula Rosa, diretora da Intersindical-Luta da Classe Trabalhadora, Nascimento Silva, do Sindicato dos Radialistas do Estado de Minas Gerais e secretário de imprensa da Fitert, Edwilson da Silva, do Sindicato dos Radialistas do Estado de Goiás e suplente da diretoria da Fitert e José Antônio, coordenador geral da Fitert.

No sábado (22), se iniciaram as mesas de debate. Para a abertura dos trabalhos, Mané Melato, Dirigente do Sindicato dos Metalúrgicos de Campinas e Região, Matheus Nunes, da União da Juventude Rebelião (UJR) e José Antônio, coordenador geral da Federação dos Radialistas, compuseram a discussão sobre conjuntura nacional. No entendimento geral, foi concluído que é necessário organização e união dos trabalhadores para que se encontre saídas para a precarização da vida da classe trabalhadora.

Já na parte da tarde, a segunda mesa de debater, que analisou o projeto da Reforma da Previdência que se encontra em andamento no Senado Federal, foi composta por Rita Pinto, dirigente do Sindicato dos Trabalhadores da Previdência de São Paulo (Sinsprev) e Arnaldo Marcolino, membro do Movimento Popular.

Para fechar a leva de discussões e análises, a última mesa “Qual o papel da mídia?” foi composta por Ana Claudia Mielke, do coletivo Intervozes, Nascimento Silva, secretário de imprensa da Fitert e diretor do Sindicato dos Radialistas do Estado de Minas Gerais e Sérgio Ipoldo, coordenador do Sindicato dos Radialista do Estado de São Paulo.

Para Nascimento, “através da realização deste congresso, e também de tantos outros cursos de formação, o Sindicato dos Radialistas de São Paulo mostra que é vanguarda na qualificação de seus dirigentes e sua base. Participar deste encontro foi revigorante para o espírito de luta que todos os trabalhadores devem manter”. O secretário também elogiou a escolha dos palestrantes, classificando as discussões como excelentes.

José Antônio, que além de representar a Federação também estava participando do congresso como delegado, avalia que foi um momento fundamental para a categoria. “Um debate de políticas muito importantes, onde foi possível elaborar um plano de ação para os impactos da nova lei do trabalho. A partir de agora, mais do que nunca, é preciso que haja diálogo entre os trabalhadores, os sindicatos e a Federação para a luta conjunta e participativa”, afirmou o coordenador.

Já Edwilson da Silva, diretor do sindicato de Goiás e suplente da Federação, elogiou a organização de todo o evento, a escolha dos palestrantes e reforçou a importância de tais debates para os radialistas. “Agora é hora de traçar novas formas de trabalhar junto a essas mudanças que vieram para precarizar os direitos dos trabalhadores”, enfatizou o diretor sindical.

A Fitert parabeniza o Sindicato dos Radialistas de São Paulo por mais um congresso realizado com sucesso e deseja muita força para todos e todas radialistas paulistas para as lutas que estão por vir.

Fonte: Da redação, com informações do sindicato.

Fotos: Sindicato dos Radialistas de São Paulo.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

CAPTCHA