Mais de 100 demitidos no SBT: um dos piores anos da história

Foi publicado no portal da UOL que esta semana o SBT estará demitindo mais de 100 funcionários para economizar após um ano apertado para a emissora, devido à queda das receitas com publicidade. A empresa quer reduzir gastos não só com funcionários, mas também em várias áreas, com um corte geral de R$80 milhões até o fim do ano. Mas não quiseram comentar o assunto com os repórteres da UOL, nem com ninguém.

Mesmo com toda essa “penúria”, o faturamento estimado para o SBT este ano é de mais de UM BILHÃO DE REAIS. Menos que no ano passado? Sim. Mas não significa que estejam “perdendo dinheiro”, apenas lucrando menos. Isso porque no ano passado houve um aumento incrível dos investimentos do governo em grandes emissoras como a SBT e a Globo. A atitude foi muito criticada, primeiro porque com tanto papo sobre a necessidade de economizar nos direitos sociais, o governo Temer teve os maiores gastos com publicidade e propaganda do milênio; segundo, porque esse dinheiro público (que vinha sendo cada vez mais distribuído para novas mídias) voltou a ser absurdamente centralizado nos canais da grande imprensa.

O SBT foi quem apoiou mais descaradamente as Reformas que agora estão sendo comprovadas como fraudulentas. Lembra daquelas propagandas dizendo “se a Reforma da Previdência não passar, o Brasil vai quebrar?” Simples, nada explicativa, e só manipuladora mesmo. Totalmente irresponsável, e agora todos sabem. Depois dos áudios que comprovam os crimes do Presidente (absolvido pelo congresso igualmente corrupto) e depois dos dossiês que comprovam as fraudes na proposta da Reforma (que agora até a OAB já se posicionou definitivamente contra), agora não tem como defender.

2017 terá o maior número de demissões dos últimos anos na casa, superando 2015, em que também foram demitidas 100 pessoas no mês de novembro. Mas as demissões representam só cerca de 15% dos cortes. De onde vem o resto da economia? Das “barras de ouro, que valem mais do que dinheiro”?

Antes fosse… São obscuros os cortes feitos por meio de terceirização e pejotização, que nada mais são do que formas da empresa se isentar de pagar direitos trabalhistas. Mas R$50 milhões vêm de economias toscas em coisas como sabonete e papel higiênico “de qualidade inferior”. Outra das artimanhas da empresa pra manter os lucros é descrita pelo UOL como “um truque contábil permitido pela legislação”

Mas peraí, dizer que algo não está fora da lei quer dizer que é justo? Faz alguma diferença dizer isto, no país onde a lei está permitindo trabalho escravo? Onde a lei permite que emissoras como esta soneguem bilhões em impostos, passem 30 anos com concessões irregulares e ainda sejam anistiadas? Onde uma empresa que segue lucrando bilhões, que recebeu milhões a mais do SEU dinheiro (público e federal) no último ano, e não pra contratar 200 funcionários, mas para demiti-los sem mais nem menos? Vamos dizer apenas que a SBT sobrevive “graças a um truque contábil.” Então, por favor, sem mais truques desse tipo, Ok?

Fonte: Sindicato dos Radialistas do Rio de Janeiro

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

CAPTCHA